press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/10
Casa das Sementes Livres


A Casa de Sementes Livres é um espaço de articulação entre a pesquisa, armazenagem e difusão de sementes tradicionais com processos educacionais que utilizam tecnologias apropriadas e livres em comunidades do campo. Na Casa funcionam um telecentro em software livre, um banco de sementes, uma pequena biblioteca e uma rádio livre.  A iniciativa parte do pressuposto de que a conservação de sementes tradicionais e a  comunicação autônoma são bens comuns da humanidade que precisam ser valorizados e podem se fortalecer mutuamente. Assim, temos como objetivo principal fomentar a colaboração entre as diversas redes ligadas à Agroecologia e à Cultura Digital,  ampliando o diálogo não só entre agricultores tradicionais, ambientalistas e permacultores, mas também incluindo os hackers, ciberativistas e educadores. A conexão  é feita por meio dos valores contidos na construção coletiva de conhecimentos e das práticas culturais insubordináveis aos sistemas de monopólio, patentes, propriedade   intelectual e transgenia.

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/15
Horta Eco-Pedagógica


A Horta Ecopedagógica é uma parceria do coletivo da EMA com a E.E.M. Vila Silva Jardim. Consiste em uma iniciativa de educação popular para promover a inserção da Agroecologia no currículo escolar dentro do tema transversal de Meio Ambiente. A Pedagogia Griô, que prevê a integração de espaços e conhecimentos não formais com os saberes formais, é a base do projeto. A contratação de um agricultor local  que possua facilidade de oratória e conhecimentos tradicionais, ou seja, um mestre griô, para coordenar o manejo da horta, complementa a equipe de educadores. O  registro multimídia das aulas com fotos, vídeos e programas de  rádio feitos com as crianças reforça a dimensão multidisciplinar do projeto.  Toda a comunidade escolar é envolvida no processo: alunos, professoras e, inclusive,   as merendeiras, para as quais são oferecidas oficinas de alimentação e saúde. O projeto evidencia seu potencial para ser multiplicado, e sobretudo, a necessidade da   agroecologia ser inserida nos Planos Políticos Pedagógicos (PPP) das escolas.